1 de set de 2012

JOÃO CABRAL DE MELO NETO / O Vento no Canavial

João Cabral de Melo Neto



                  por Pedro Luso de Carvalho


        JOÃO CABRAL DE MELO NETO  nasceu na capital de Pernambuco, Recife, a 9 de janeiro de 1920; faleceu no Rio de Janeiro no dia 9 de outubro de 1999. Na sua poesia não encontramos lirismo, ao contrário, deparamo-nos com a realidade nela retratada escrita numa linguagem seca e contida.

        João Cabral passou sua infância nos engenhos de açúcar pernambucanos; no Recife frequentou as rodas literárias de Willy Lewin. Conviveu nessa época com escritores, pintores e arquitetos. A sua boa formação cultural deveu-se em parte pela leitura da obra teórica de Le Corbusier, arquiteto francês e mestre do modernismo funcionalista.

        Ser crítico literário era o que almejava na sua juventude. Essa veia crítica é encontrada com facilidade em sua obra. Na altura dos seus 20 anos conheceu Carlos Drummond de Andrade no Rio de Janeiro. Nessa cidade, frequentava as rodas literárias de Jorge Lima. Mudou-se para o Rio dois anos depois.

        João Cabral não escapou da influência do surrealismo, como se vê nos seus primeiros livros, sendo que o ano de 1950 marca o final dessa etapa com a obra O cão sem plumas. A fase subsequente do poeta dá-se com a escrita seca, que sustenta em versos curtos e substantivos. Exemplo é Uma faca só lâmina, poema escrito em 1955, que se constitui em símbolo dessa nova etapa.

        Em entrevista que concedeu a Alice Maria, do Jornal Diário de Notícias – Lisboa, 20 de janeiro de 1985 -, disse João Cabral: “(...) A poesia brasileira é uma poesia essencialmente lírica, e por isso eu me situo na linha dos poetas marginais porque sou profundamente antilírico. Para mim, a poesia dirige-se à inteligência, através dos sentidos”.

        João Cabral serviu como diplomata de carreira que era em Londres, Dacar, Tegucigalpa. Em 1947 tornou-se vice-cônsul em Barcelona, experiência que o ligou profundamente à Espanha, em especial a Sevilha, onde serviu por duas vezes em diferentes períodos. Aí conheceu Joan Miró, Antonio Tàpies e Joan Brossa. Em 1969 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras.

        Segue o poema de João Cabral de Melo Neto intitulado O vento no canavial (In Duas Águas. Poemas Reunidos: Paisagens com Figuras, 1954-1955. João Cabral de Melo Neto: Rio de Janeiro: José Olympio, 1956, p. 33-34):


                                      O VENTO NO CANAVIAL
                                                      (João Cabral de Melo Neto)



                                       Não se vê no canavial
                                       nenhuma planta com nome,
                                       nenhuma planta Maria,
                                       planta com nome de homem.

                                       É anônimo o canavial,
                                       sem feições como a campina.
                                       É como um mar sem navios,
                                       papel em branco de escrita.

                                       É como um grande lençol
                                       sem dobras e sem bainha,
                                       Penugem de moça ao sol,
                                       roupa lavada estendida.

                                       Contudo há no canavial
                                       oculta fisionomia,
                                       tal no pulso do relógio
                                       há possível melodia,

                                       ou como de um avião
                                       a paisagem se organiza,
                                       ou há finos desenhos nas
                                       pedras da praça vazia.

                                       Se venta no canavial
                                       estendido sob o sol
                                       seu tecido inanimado
                                       faz-se sensível lençol,

                                       se muda em bandeira viva,
                                       de cor verde sobre verde,
                                       com estrelas verdes que
                                       no verde nascem, se perdem.

                                       Não recorda o canavial
                                       então as praças vazias:
                                       não tem, como têm as pedras,
                                       disciplina de milícias.

                                       É solta sua simetria:
                                       como a das ondas na areia
                                       ou as ondas da multidão
                                        lutando na praça cheia.

                                        Então, da praça repleta
                                        é o canavial a imagem:
                                        veem-se as mesmas correntes
                                        que se fazem e desfazem,

                                        voragens que se desatam,
                                        redemoinhos iguais,
                                        estrelas iguais àquelas
                                        que o povo lutando faz.


                                                   
                                                        *



REFERÊNCIAS:
CASTELLO, José. 501 Grandes Escritores. Editor geral Julian Patrick. Tradução de Livia Almeida e Pedro Jorgensen Junior. Rio de Janeiro: Sextante, 2009, p. 628.
ATHAYDE, Félix. Ideias Fixas de João Cabral de Melo Neto. 4ª impressão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: FBN; Mogi das Cruzes, SP: Universidade de Mogi das Cruzes, 1998, p.55.


                                                       * * *